Qual o grau de responsabilidade social e ambiental do seu banco?

A edição 9° do Guia dos Bancos Responsáveis evidencia uma melhora geral no resultado da análise dos bancos: todos eles tiveram aumento de nota. Porém, os resultados demonstram que os bancos brasileiros seguem bem distantes do nível de comprometimento esperado pela sociedade civil e muito abaixo dos níveis de
outras instituições financeiras de fora do país. Veja abaixo a porcentagem de cada banco no estudo de 2022. 

Pontuação média do BNDES

No ranking geral, que apresenta a nota média de todos os bancos avaliados independentemente de suas especificidades, o BNDES ficou em primeiro lugar. 

O banco superou a estagnação da nota apresentada entre 2018 e 2020, obtendo o segundo maior aumento desta edição. Novamente, obteve a primeira colocação, sendo um de seus grandes diferenciais a revisão de sua lista de exclusão e suas políticas sobre transparência.

Nesta edição o banco revisou sua Lista de exclusão e apoio condicionado por setor, tornando-a mais abrangente. Conforme regulamento divulgado pelo banco, esta lista contempla tanto os empréstimos a empresas e projetos, quanto os investimentos realizados pela BNDESPAR. Além disso, o banco passou a divulgar sua adesão ao Pacto Global da ONU e o seu alinhamento aos IFC Standards.  Por um lado há um bom desempenho das instituições financeiras nos elementos relativos às suas operações internas, por outro lado, o mesmo comprometimento não é demonstrado com os investimentos e financiamentos realizados também por parte do BNDES. 

X

Pontuação média do Santander Brasil

O Santander Brasil alcançou a nota média de 3,9 e ficou na 3ª posição do ranking desta edição, uma posição a menos que na última avaliação.

o Santander impõe restrições a novas usinas termelétricas, além de proibir a extensão ou novos financiamentos de usinas a carvão ou novos investimentos em extração de petróleo.

 

 

X

Pontuação média do Banco do Brasil

Quem passou a ocupar a 4° posição foi o Banco do Brasil, com média de 3,7 pontos.

Somente Banco do Brasil, BNDES e Itaú possuem alguma política interna que aborde o critério de análise de cadeia de fornecedores em suas políticas para empresas que investem ou financiam.

 

X

Pontuação média do Bradesco

O Conglomerado Financeiro Bradesco obteve a nota média 3,7 e ficou na 5° posição. Embora tenha apresentado a mesma média que o Banco do Brasil, ficou para trás no desempate técnico, considerando a segunda casa decimal na composição da média..

X

Pontuação média do Caixa Econômica Federal

A Caixa obteve uma nota geral de 3,34 e ficou na sexta posição. Embora tenha apresentado a mesma média que o Safra, saiu na frente no desempate técnico, considerando a segunda casa decimal na composição da média.

 

X

Pontuação média do Safra

O Banco Safra obteve nota média de 3,37 um aumento de 1,1 pontos em comparação à edição passada. Com este desempenho, foi o banco que mais aumentou sua pontuação nesta edição.

X

Pontuação média do BTG Pactual

O BTG Pactual Holding ficou com a 8ª posição no ranking do GBR com a nota média de 3,1 - um acréscimo de 0,5 em relação a 2020. Sua melhora deveu-se principalmente à publicação de novas políticas setoriais, como o caso de sua política para o setor de Armas.

X

Legendas

Método da pesquisa

Método da pesquisa

O método de pesquisa foca na análise de documentos públicos das instituições financeiras, como relatórios anuais, políticas setoriais, diretrizes de crédito, informações no website da instituição, entre outros.

A partir das informações coletadas, avalia-se as políticas e práticas bancárias por tema dando uma pontuação de 0 a 10, para cada tema. A pontuação geral dos bancos é formada pela média das notas dos 18 temas analisados. 

Saiba mais

Obrigado por compartilhar

Sua mensagem foi enviada com sucesso

×