Fair Finance International chama a atenção para as pontuações de igualdade de gênero das instituições financeiras Neste Dia Internacional da Mulher

quarta-feira, 8 de março de 2023

 

As coalizões da rede FFI avaliam e classificam as políticas das instituições financeiras em relação à sustentabilidade em 8 a 21 temas. A igualdade de gênero é um tema central transversal e está incluído em cada avaliação das coalizões Fair Finance, porque embora a pobreza possa ser global, não é neutra em termos de gênero e o setor financeiro pode desempenhar um papel, para o bem ou para o mal nisso. 

As mulheres são mais propensas a realizar trabalho regular não remunerado, mais propensas a receber menos do que seus colegas do sexo masculino e mais propensas a ocupar menos cargos de chefia. As mulheres também são mais propensas a serem excluídas dos sistemas financeiros formais – na verdade, um bilhão de mulheres ainda não usam ou não têm acesso ao sistema financeiro, tornando-as assim mais vulneráveis ​​à exclusão econômica e social. A pesquisa também mostrou que, onde as mulheres têm acesso a contas bancárias, ainda assim persiste a desigualdade de gênero em termos de empréstimos e investimentos feitos às mulheres.

A metodologia Fair Finance , portanto, tem uma variedade de elementos em seu tema Igualdade de Gênero que podem ser avaliados quando se olha para as políticas das instituições financeiras. Isso vai desde políticas para prevenir e mitigar a discriminação de gênero, até questões sobre participação e igualdade de acesso das mulheres no Conselho de Administração e nos níveis de gestão sênior, políticas de igualdade de remuneração, bem como a inclusão de cláusulas sobre o cumprimento de gênero e direitos das mulheres nos contratos. Em 2022, nove coalizões da Fair Finance realizaram avaliações de políticas: Brasil, Noruega, Suécia, Alemanha, Filipinas, Holanda, África Austral, Japão e Camboja. A partir dessas avaliações, as instituições financeiras norueguesas obtiveram a melhor pontuação em questões de justiça de gênero, com 7,5 em 10, enquanto há muito espaço para melhorias em outros países.

O fato de que a pontuação média entre as coalizões foi de 4,1, que é a pontuação mais baixa recebida nos temas centrais, indica que muito mais deve ser feito para alcançar a justiça de gênero.

A Fair Finance International está, portanto, pedindo às instituições financeiras que se comprometam a respeitar as convenções de direitos humanos reconhecidas internacionalmente e a adotar uma abordagem sensível ao gênero em suas operações, tanto interna quanto externamente. As instituições financeiras devem realizar análises de impacto específicas de gênero em projetos e empresas sob consideração para financiamento e trabalhar para garantir que as empresas que financiam tenham compromissos claros de política de tolerância zero e sensíveis ao gênero em relação a todas as formas de discriminação com base em gênero no emprego e ocupação, incluindo remuneração e condições, dano psicológico e assédio verbal, físico e sexual.

Defendendo fortemente a inclusão do setor financeiro no atual projeto de legislação de due diligence da UE, a Fair Finance International também faz parte de uma campanha , ao lado de mais de 140 organizações, pedindo à UE que acabe com a desigualdade de gênero nas cadeias de valor das empresas e, para isso, lei futura para reconhecer explicitamente que os impactos adversos das atividades corporativas não são neutros em termos de gênero. As instituições financeiras também precisam atender a esse apelo e realizar a devida diligência com uma lente de gênero para garantir que suas práticas não deixem mulheres e meninas para trás.

É hora de as instituições financeiras e o setor financeiro em geral considerarem o impacto direto das políticas e práticas de investimento na situação socioeconômica das mulheres em todo o mundo. Grandes melhorias são necessárias nas políticas e práticas financeiras com igualdade de gênero. No entanto, esta é uma oportunidade para o setor financeiro – um mundo mais justo é um benefício para todos – e, em vez de ser um obstáculo, o setor financeiro pode ser um impulsionador dessa mudança vital na jornada para finanças genuinamente sustentáveis.

 

Envie uma carta ao seu banco e diga o que acha do desempenho dele

Compartilhe o conteúdo

Obrigado por compartilhar

Sua mensagem foi enviada com sucesso

×